CategoryBlog

Dicas sobre assuntos gerais.

Como o Facebook Ads pode impulsionar o alcance da sua empresa

O Facebook Ads se tornou uma das principais estratégias de anúncio para milhões de empresas em todo o mundo.

Isso porque, essa rede social é a que possui o maior número de usuários não só no Brasil, mas como em diversos outros países.

No Facebook, as empresas dos mais variados perfis encontram com facilidade o seu público-alvo, e identificam facilmente a sua persona. 

Sendo assim, investir nos anúncios veiculados pela plataforma é uma estratégia de marketing digital essencial para seu negócio.

Neste artigo, vamos mostrar a sua importância, e como o Facebook Ads ajuda a impulsionar as ações da sua empresa, bem como divulgá-las.

O que é Facebook Ads?

Facebook Ads é um sistema de mídia paga realizada pela própria rede social, que oferece diferentes formatos de anúncios. Graças ao fato de possuir segmentações diferentes, é capaz de gerar um número maior de conversões.

Portanto, os anúncios não se limitam apenas a textos, podendo ser criados de acordo com as necessidades e interesses de cada empresa, bem como de seu público-alvo.

Importância do Facebook Ads

Em vista de seu objetivo, não fica difícil entender por que o Facebook Ads é importante, sendo também possível observar isso por meio de suas vantagens. E dentre as principais estão:

  • Segmentação de público;
  • Maior interação;
  • Boa experiência para os usuários;
  • Fácil mensuração.

Portanto, se uma clínica veterinária animais faz um anúncio no Facebook, ela consegue atingir exatamente os usuários que têm interesse. Isso acaba por promover mais respostas, o que aumenta a interação.

Se as pessoas que precisam têm acesso a esses anúncios, elas são envolvidas em uma experiência mais positiva. 

Além disso, a empresa consegue mensurar seus anúncios, modificando-os sempre que for necessário.

Como o Facebook Ads ajuda as empresas

Estamos falando da rede social mais popular entre os usuários da web. Portanto, não é difícil entender porque tanto uma farmácia de medicamento manipulado para emagrecer, quanto uma loja de roupas de bebê, se beneficiam dela.

Todo e qualquer perfil de consumidor está presente no Facebook. 

E todos esses usuários entregam voluntariamente informações para a rede social, como dados demográficos, localização, interesses, etc.

Alguns usuários são mais engajados e possuem perfis mais completos, o que facilita ainda mais a impulsionar as ações e a divulgar a marca.

Pelo fato de oferecer anúncios em diversos formatos, um médico especialista em idosos pode promover a sua página, suas postagens, ações e, inclusive, o seu próprio site.

Para fazer com que os anúncios cheguem até o público que realmente possa ter interesse neles, o Facebook tem como referência as informações prestadas pelos usuários.

Além disso, uma marca pode ser extremamente bem-sucedida ao usar esses anúncios para direcionar os usuários ao seu site.

Quando a empresa lança a campanha, pode escolher entre pagar por clique, ou por cada mil impressões.

Por que usar o Facebook Ads?

O Facebook possui muitos usuários que têm interesse nos mais variados produtos e serviços disponíveis no mercado. 

Todos os dias, milhões deles curtem páginas que vão de companhias aéreas a fabricantes de bola de pilates para gestante.  

E pelo fato de possuir ampla possibilidade de público, essa rede social oferece uma segmentação que permite impactar o público certo, ao mesmo tempo em que divulga a marca para uma enorme quantidade de pessoas.

Para isso, o Facebook Ads também oferece a possibilidade de ter variações na campanha de acordo com seu objetivo. 

E algumas delas levam os usuários a curtirem a página, o que aumenta a popularidade da empresa.

Também é possível criar anúncios que geram uma conexão mais próxima entre o usuário e a marca, assim como aqueles que levam os usuários para a landing page da organização.

Portanto, tudo vai depender dos interesses das empresas e daquilo que elas querem oferecer, suas necessidades, entre outros.

Conclusão

O Facebook Ads é uma das maneiras mais eficientes de fazer anúncios que realmente impulsionem a marca perante seu público-alvo.

Não investir em uma campanha nessa rede social pode se tornar um erro, que traz consequências negativas, podendo ser até mesmo uma perda de tempo.

Estar em um ambiente onde os clientes estão é importante, então, por quê não anunciar nesses veículos?

Essa rede social inteligente oferece tudo o que a marca precisa para publicar os melhores anúncios, e colher os melhores resultados. Afinal, é a maneira mais inteligente de mostrar aos potenciais clientes as soluções que eles precisam.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Como Usar a Gamificação em Treinamentos Corporativos

No mundo corporativo, uma boa gestão de pessoas tem sido um processo cada vez mais cheio de desafios, uma vez que a sociedade está sofrendo grandes transformações e isso afeta diretamente o ambiente de trabalho.

 

Por conta disso, os gestores têm procurado novas soluções e alternativas todos os dias para motivar e usar seus colaboradores.

 

Reflexo disso é uma gamificação, que você descobre ou que são e quais são suas vantagens ao longo deste post. Confira!

O que é uma gamificação?

 

A gamificação trata-se de um treinamento corporativo que faz uso da mecânica de jogos e métodos dinâmicos para intensificar a aprendizagem dos colaboradores da empresa. Dessa forma, a experiência se torna mais produtiva e prazerosa.

Como ela pode ajudar?

 

Os benefícios são muitos, tanto para uma empresa quanto para os funcionários. Ao utilizar esse conceito de treinamento, é possível gerar disputas mais sérias, raciocínio rápido, desenvolvimento de habilidades, estratégias, etc.

 

Além disso, também há o sentimento de conquista – uma sensação fundamental para todos os que estão mais interessados ​​nas próximas etapas e se empenhar em suas metas.

Como usar a gamificação na minha empresa?

 

Em primeiro lugar, é preciso saber todas as medidas e gerenciar um controle de fim de fornecimento de feedback aos colaboradores.

 

Isso é extremamente importante para aqueles que têm noção do seu progresso e estão disponíveis automaticamente, ou seja, o descubram estão realmente dando o seu melhor e estão no caminho certo.

 

Vale ressaltar, que uma ação de gamificação realmente boa, não envolve apenas a parte dinâmica, mas também analisa o perfil dos participantes, esclarece os objetivos da empresa e também mede quais são os fatores mais relevantes que vão engajar seus funcionários a longo prazo.

 

Sendo assim, podemos concluir que um treinamento com gamificação pode ser um método muito mais eficiente do que os tradicionais, visto que é feita de forma interativa, informal e promove um melhor acesso ao conhecimento, à captação e memorização dos colaboradores.

Por que Gamificação se tornou popular?

 

Porque é uma ótima solução para um dos desafios mais difíceis da atualidade: retenção de profissionais.

 

Oferecer incentivos aos colaboradores e incentivá-los a acumular recompensas ao longo de sua jornada pode aumentar instantaneamente o envolvimento deles com o sua empresa.

Riscos de Gamificação

 

A gamificação é útil e bem-sucedida porque tira proveito da mesma psicologia humana que leva as pessoas a gostar de ganhar nos jogos e a não gostar ou até temer perder. Como resultado, também pode ter algumas desvantagens.

 

Escolher os mecanismos e métricas corretos pode ser um desafio. Como é nisso que os participantes se concentrarão, é importante que os elementos do jogo realmente incentivem o comportamento desejado.

 

Uma gamificação mal projetada ou implementada pode se tornar uma distração de outras prioridades, incentivar as pessoas a literalmente jogar com o sistema ou resultar em jogadores envolvidos em uma competição de soma zero ou mesmo soma negativa entre si.

 

Qualquer um desses resultados pode significar perda de tempo e dinheiro.

 

Às vezes, os jogos também podem tornar-se notórios, como foi visto em videogames imersivos e jogos compulsivos. Isso aumenta os riscos ao usar uma gamificação para fins comerciais.

 

O ponto de vista de uma entidade comercial que beneficia funcionários ou clientes que desenvolvem uma obrigação de trabalhar ou consumir (e pagar por) um produto, é uma característica positiva.

 

Mas, para trabalhadores e consumidores, pode ser facilmente visto como manipulador ou explorador e suscitar possíveis problemas éticos.

Casa de Repouso: O Que Avaliar Antes de Escolher Uma

O envelhecimento faz parte do processo natural do ser humano, e nessa fase mais avançada da vida, podem surgir certos problemas e dificuldades, além de doenças.

 

Por exemplo, depressão, ansiedade, Alzheimer, diabetes, osteoporose, fragilidade, imobilidade, memória fraca…

 

Por isso, muitas pessoas procuram por uma casa de repouso para que o idoso ou idosa tenha os cuidados necessários para continuar vivendo sem grandes obstáculos.

 

É aí que chegamos ao ponto principal deste artigo, afinal, como escolher um residencial para idosos? O que é preciso avaliar antes de escolher um local deste tipo? Acompanhe a leitura até o final e você irá descobrir!

Pesquisas

 

O primeiro e principal ponto é fazer pesquisas e visitas em diferentes casas de repouso com objetivo de ir selecionando aquelas que mais agradam e aquelas que podem ser desconsideradas. 

 

Anote tudo para ir se organizando, pode ser em um bloquinho ou mesmo no celular.

 

Observação: no final do artigo você vai conferir uma lista com 10 sugestões de perguntas importantes para se fazer. Portanto, não deixe de conferi-la.

 

Além disso, verifique se o local está regularizado nos órgãos competentes da sua cidade, como a vigilância sanitária e o Conselho Municipal do Idoso. 

 

Também procure saber, por exemplo, se já houve alguma denúncia, caso de maus tratos ou outro problema envolvendo a casa.

Infraestrutura

 

Mais um fator relevante que deve ser levado em consideração é referente à infraestrutura da casa de repouso, ou seja, como ela é e o que ela tem. 

 

Veja se o ambiente é acolhedor, arejado, limpo, silencioso e aconchegante.

 

Além disso, observe, por exemplo, como é o banheiro, o quarto que o idoso irá ficar, a cozinha, as salas de convivência, a área externa, se há corrimões para ele se apoiar dentro da casa, entre outros pontos.

Atendimento

 

Avalie como o atendimento é realizado pela equipe que trabalha no local, seja por telefone, e-mail e/ou em uma visita à casa. 

 

Pergunte tudo que você tiver dúvida e veja como respondem, se fazem contato visual com você e se são pacientes na hora de esclarecer suas dúvidas.

Serviços

 

Por fim, procure saber sobre os serviços oferecidos aos moradores do lar, ou seja, se há fisioterapeutas, enfermeiros, nutricionistas, fonoaudiólogos, dentistas, terapeutas ocupacionais, psicólogos, arrumadeiras… 

 

Enfim, veja se há esses e outros profissionais responsáveis para realizar diferentes atividades importantes para o dia a dia dos idosos.

 

E se possível, leve o seu ente querido no dia da visita para que ele conheça o ambiente, afinal é ele que ficará lá e por isso é fundamental ouvi-lo também.

Lista de perguntas para se fazer em uma casa de repouso

 

Antes de escolher um residencial para idosos, é importante fazer certas perguntas para conhecer melhor o local e as pessoas que lá trabalham.

 

Sendo assim, separamos abaixo as principais perguntas que você deve fazer antes de definir a casa de repouso que seu ente querido irá ficar:

 

  1. Quais são os horários de visita?
  2. Quais são os profissionais que compõem a equipe médica? Médicos, cuidadores, nutricionistas…
  3. Quais são as atividades oferecidas?
  4. Como será a rotina do idoso na casa?
  5. Como é feita a alimentação? Quantas vezes ao dia?
  6. Como é feita a higiene pessoal?
  7. Como é realizada a avaliação clínica dos moradores?
  8. Qual é o apoio em caso de emergência?
  9.  A clínica possui convênios com outro profissionais, clínicas e serviços especializados?
  10.  Quantos idosos moram na casa atualmente?

 

Assim, seguindo essa lista de perguntas e as dicas que foram dadas neste artigo, você terá mais facilidade em escolher uma casa de repouso para o seu familiar!

Vestido de Noiva: Como escolher o modelo perfeito?

Um dos momentos mais importantes da vida de um casal é o casamento. E para a mulher, estar deslumbrante neste dia é indispensável. Mas como descobrir qual o vestido de noiva ideal para o grande dia? É uma pergunta que muitas mulheres fazem no momento da escolha.

Fizemos este artigo, para você que está prestes a selar sua união, mas tem dúvidas sobre qual o modelo perfeito. Confira:

Seja você mesma no grande dia

O casamento é um momento de muitas emoções e por isso, sentir-se confortável, linda e deslumbrante é a chave do sucesso. Sendo assim, procure usar modelos que combinem com o seu estilo e a deixem confortável e elegante.

Pense no modelo que mais gosta e costuma sentir-se bem com ele. Seja um estilo sereia, princesa, curto, longo, vintage ou simples e minimalista. Não importa o estilo, importa o que fará você sentir-se melhor no grande dia.

Não adianta olhar para o vestido glamuroso de uma celebridade e comprá-lo apenas por que está na moda. É preciso que o modelo seja o reflexo do momento, da sua felicidade e do seu estilo.

Comprar vestido pronto, alugar ou fazer sob medida?

O casamento é o seu momento especial, então faça o que o seu coração mandar. Escolher um modelo pronto é mais prático, mas pode ser bem caro e difícil encontrar um que fique realmente perfeito sem precisar de ajustes.

Alugar um vestido pode ser uma alternativa mais econômica, mas fazer sob medida é o sonho de muitas noivas.

E para ajudá-la nesta decisão existem sites, como o https://vestsara.com.br/ que ajudam mulheres a escolher o vestido dos sonhos. Entretanto, o que importa mesmo é sentir-se bem e confortável ao usar o vestido.

E no caso de escolher fazer sob medida, procure por profissionais qualificados e que amem a profissão. Afinal é o seu grande dia e o vestido precisa estar impecável.

Verifique o orçamento limite

Imagine encontrar o modelo perfeito e não caber no seu orçamento? Certamente será uma decepção, sendo assim, ao escolher vestido de noiva perfeito, tenha em mente o seu orçamento limite.

Saiba que é possível comprar ou confeccionar vestidos de noiva incríveis com orçamentos bem acessíveis. Por isso é importante a pesquisa prévia. E se você vai pedir para confeccionar um vestido, não se esqueça de reservar uma parte do orçamento para eventuais alterações.

Pesquise muito!

Essa dica vale para todos os detalhes da organização de um casamento. Entretanto, o vestido da noiva é o traje de uma das estrelas da festa e precisa estar mesmo deslumbrante. Para encontrar o modelo ideal, pesquise muito.

A pesquisa é essencial para a escolha do modelo, do profissional que confeccionará o vestido e dos acessórios que vão compor o look. Pesquise tudo mesmo, inclusive valores. Coloque tudo em uma lista e verifique o limite do seu orçamento.

Para ficar mais fácil, reúna fotos para se inspirar e vá descartando aos poucos. Vestidos de noiva são incríveis e a princípio você pode pensar que ama todos, mas aos poucos o seu estilo pessoal vai sobressair.

Brand Equity: aprenda a gerar valor para sua marca

No mundo dos negócios, não é raro ver empreendimentos com recursos de sobra negligenciando o Brand Equity, um erro capaz de tornar a imagem da empresa praticamente insustentável.

 

O Brand Equity é um termo cada vez mais popular na área de marketing, que se refere ao valor agregado de um produto ou serviço. Ele está baseado na importância da força e da relevância que a marca pode ganhar no mercado, principalmente por meio das estratégias digitais.

 

Por isso, as empresas que investem no fortalecimento das marcas costumam ver o esforço traduzido em lucratividade, com resultados cada vez mais expressivos, independente do segmento de atuação ou das dimensões do negócio.

 

Por isso hoje em dia é fundamental o conhecimento sobre o que é Brand Equity e como usá-lo no Marketing Digital.

O que é Brand Equity?

 

Brand Equity é uma expressão na língua inglesa que pode ser traduzida como valor de marca, de uma maneira simplificada. Trata-se, portanto, de um valor intangível, diferente do patrimônio físico de uma empresa, e que não pode ser medido objetivamente, seguindo critérios abstratos de avaliação.

 

Entretanto, o Brand Equity não é apenas uma identidade facilmente reconhecida, mas sim da maneira como os clientes e potenciais clientes encaram a marca, a imagem que têm do empreendimento.

 

Essa percepção faz toda a diferença na valorização da corporação e dos seus produtos ou serviços, que podem ser desde a tradução simultânea SP até um simples dicionário. E quando a marca alcança certo prestígio e reconhecimento, isso com certeza reflete em sua lucratividade.

 

Uma vez que o branding visa o fortalecimento de marcas, pode-se dizer que quando bem planejado e executado, o trabalho de branding gera o Brand Equity. Isso significa que quanto mais forte for a imagem de uma empresa, maior tende a ser o seu valor no mercado.

Por que a força de uma marca é tão importante?

 

Principalmente no início dos investimentos, os empreendedores podem se perguntar se ter uma marca forte no mercado pode fazer tanta diferença, principalmente considerando o produto ou serviço oferecido, como uma consultoria ambiental em Campinas, que pode não ter tantos concorrentes na região.

 

No entanto, há pelo menos três aspectos que contribuem para a relevância do Brand Equity. São eles:

Poder de influência no mercado

As marcas mais fortes tendem a ditar as tendências e até mesmo o ritmo do mercado em que atuam. Quando se fala em mercado no segmento de tecelagem, por exemplo, é preciso considerar competidores e também fornecedores de materiais, como tecidos, linhas, etiquetas para confecção.

 

Todos os parceiros, distribuidores e até veículos de imprensa, de uma maneira geral, têm alguma participação.

 

O poder de influência dá uma enorme vantagem às empresas, aumentando as chances de sucesso junto ao público.

 

Isso ocorre devido à liderança nas decisões sobre lançamentos, distribuições, preços e até estratégias de marketing.

Percepção de valor dos clientes

Outro grande efeito do Brand Equity é a sua influência sobre a percepção de valor dos clientes. Quanto mais forte é a marca, maior é o valor que o cliente tende a dar a ela.

 

Para verificar como isso funciona na prática, podemos avaliar o desempenho de uma empresa fornecedora de botijão de gás valor um pouco acima do mercado, por exemplo.

 

Ela pode continuar com a preferência dos clientes, mesmo oferecendo serviços ou produtos muito similares, desde que tenha uma marca forte.

 

Além disso, ela pode ter maior prestígio junto à audiência, o que aumenta o grau de confiança dos colaboradores da empresa. As corporações que encaram essa aprovação como espaço para crescer e inovar, tendem a ser bastante bem sucedidas.

Lealdade à marca

Outro grande trunfo da Brand Equity é a conquista da lealdade dos clientes, que geralmente acontece com as marcas que se dedicam ao fortalecimento de suas marcas.

 

A lealdade costuma começar com o retorno do cliente. Com o tempo, ele tende a fidelizar o consumo e, mais do que isso, se transforma em um defensor da empresa. Isso acontece principalmente nas redes sociais, em que os consumidores se sentem mais à vontade para interagir nos canais de comunicação e recomendar um produto ou serviço.

 

Essa lealdade representa um bom lucro para uma revendedora de comedouro automático para gatos, entre outros produtos. Afinal, além ter um ticket médio mais alto, os defensores de marca tendem a trazer novos clientes, de maneira orgânica e gratuita.

Brand Equity no Marketing Digital

 

Hoje em dia é praticamente o impossível citar uma empresa ou marca forte, reconhecida e popular que não tenha presença digital.

 

O Marketing Digital é fundamental para um bom Brand Equity, e demanda alguns cuidados, como:

  1. Entrega da mensagem certa;
  2. Escolha dos canais mais adequados;
  3. Tom e voz da conversa;
  4. Frequência e constância online.

1. Entrega da mensagem certa

Para conseguir gerar um impacto positivo no mercado, é importante que as marcas passem uma imagem capaz de criar intensa identificação com o público.

 

Por isso a descoberta da mensagem certa para cada empresa é o primeiro passo para uma empresa se aproximar da audiência.

 

Uma empresa especializada em instalações para o reuso de água de chuva, por exemplo, pode focar na sustentabilidade e nos benefícios que o aproveitamento do recurso hídrico tem para o meio ambiente.

 

Esses aspectos podem ser utilizados para a empresa se posicionar com mais assertividade, atraindo mais clientes em potencial.

2. Escolha dos canais mais adequados

Depois de descobrir a mensagem que a empresa deseja passar, é fundamental a elaboração de um plano. Ele deve prever os conteúdos responsáveis por transmitir a mensagem, assim como os canais em que a marca deve estar presente.

 

Nesse sentido, é importante ressaltar que mais vale a presença limitada mas com qualidade, do que quando ela é feita sem sentido.

 

Em outras palavras, não é preciso estar em todas as redes sociais para ter sucesso online. Ao invés disso, o ideal é dedicar-se para que a empresa esteja presente nas plataformas que concentram o seu público alvo, com qualidade e relevância.

 

Além das redes sociais, o blog também pode ser bastante eficiente na construção de uma Brand Equity. Os artigos informativos sobre cadeira de rodas motorizada, por exemplo, servem para aproximar a relação com a audiência, ao mesmo tempo em que constroem certa autoridade para a empresa sobre a mobilidade de pessoas com deficiência.

3. Tom e voz da conversa

Mesmo investindo consideravelmente em produção e distribuição de conteúdos de qualidade, em canais populares entre o seu público, algumas empresas podem falham na construção de uma imagem positiva e forte.

 

Isso pode ocorrer principalmente devido à forma como a conversa com a audiência é conduzida.

 

Tom e voz utilizados nos conteúdos e campanhas sempre devem ser pensados cuidadosamente, com o objetivo de provocar reações positivas.

 

Além disso, a marca deve manter a comunicação de forma consistente, evitando mudanças repentinas, que costumam assustar as pessoas que acompanham a empresa.

4. Frequência e constância online

A produção de conteúdos apenas “de vez em quando” não é suficiente para fidelizar o público e criar percepções positivas sobre as marcas. Pelo contrário, muitas vezes o desleixo de não manter uma atividade frequente nos canais online pode até render pontos negativos.

 

O ideal é regular e ter uma presença com produção contínua. Desta forma, a produtora de cestinha de mercado, por exemplo, consegue incentivar o interesse do público, com aproximação crescente e as pessoas interessadas nos conteúdos aprendendo cada vez mais.

 

A presença com mensagem forte e coerente, regular, em canais adequados e bem escolhidos é o grande objetivo do Brand Equity no Marketing Digital.

 

Assim, as marcas podem aproveitar as estratégias online para se aproximar cada vez mais do seu público e se transformar em grandes potências de mercado. Contudo, o principal segredo é o planejamento adequado, bem como a contratação de profissionais especializados para a condução das ações de marketing.

 

Com os conhecimentos específicos, eles podem realizar planos e ações de acordo com as necessidades e objetivos de cada empresa, levando em conta as principais tendências no mercado em que ela se insere.

 

O investimento em Brand Equity é fundamental para a construção de uma empresa com identidade marcante o suficiente para se tornar a primeira escolha dos potenciais consumidores.

 

Mais do que isso, com as ações adequadas, o marketing e o Brand Equity podem auxiliar os negócios a se transformarem em grandes potências, mesmo com poucos diferenciais em comparação com os seus concorrentes, agregando muito mais valor para o empreendimento.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Como fidelizar seu cliente com marketing one to one

Vivemos a época da comunicação, da customização, da Internet das Coisas, da conectividade e dos nativos digitais. As implicações desses novos paradigmas culturais são enormes, e redundam nas mais interessantes estratégias de publicidade, como no caso do Marketing one to one.

Customização nada mais é que, a demanda do cliente por uma solução que seja adaptada/configurada para ele. Essa personalização é feita segundo necessidades específicas de cada pessoa.

Com o avanço da internet e com o aumento incrível do fluxo de informações e notícias que vemos atualmente, esse tipo de exigência tem se tornado o mínimo que uma empresa precisa entender em nome do seu público-alvo.

Aí é que entra o papel do marketing one to one (ou seja, “de um pra um”). Mais do que público-alvo, hoje se fala em persona, mais ou menos como se as empresas/marcas tivessem que ter um rosto e agir tal como se fossem de carne e osso, e não apenas uma instituição com foco em números e mais números.

Para entender melhor as implicações dessa verdadeira revolução que temos vivido, e como fidelizar os seus clientes por meio dessas estratégias indispensáveis, continue a leitura!

A estratégia one-to-one e o inbound marketing

Como vimos acima, personalização e customização são as palavras da vez.

De fato, a maior diferença do marketing tradicional para o marketing one to one é essa mesmo: antigamente as empresas focaram todos os seus esforços em estratégias que quase nunca prevaleciam o cliente, nem tentavam “pensar com a cabeça dele”.

Geralmente isso se dava de dois modos. Primeiro, exagerava-se na autopromoção, tentando convencer o público de que tal empresa era melhor que a concorrência. Segundo, havia excesso na promoção dos produtos/serviços, o que era outro modo de focar nas vantagens que a marca trazia, em detrimento das outras disponíveis no mercado.

Assim, ao atuar na área de portão tubular (um dos modelos mais indicados para garagens), por exemplo, o marketing tradicional pode levar uma empresa a focar seus esforços em panfletagem e outros formatos de outbound, que é o marketing “de saída”, o qual lida com estratégias de cunho fortemente comercial e apelativo.

Embora esses recursos antigos também tragam resultados, a tendência atual é a de ir na contramão, utilizando estratégias do que se convencionou chamar de inbound, que é o marketing “de entrada”.

No mesmo exemplo dos portões, talvez na área de manutenção de servo motor, por exemplo, o que a empresa faria seria focar na persona do cliente, nas expectativas que ele tem em relação ao motor para portão automático, e por meio disso chamar a atenção do cliente com soluções/materiais de qualidade. Nas redes sociais, em blogs, vlogs e demais canais que dão todo um suporte mais personalizado para o cliente.

De fato, o inbound marketing é uma extensão do marketing “um pra um”, uma vez que a filosofia que norteia ambos é exatamente a mesma. Nele reside uma das melhores maneiras de se fidelizar os clientes de hoje em dia.

Tendências de mercado e “educação” dos clientes

Outro modo de definir esse cenário é o seguinte: podemos dizer que o marketing tradicional tinha por base e princípio o produto/serviço, de tal modo que o que mais precisava era encontrar clientes para a sua oferta, a qual vinha antes de tudo.

Nos formatos atuais temos o contrário: a empresa desvenda ou define quem é o seu público, a ponto de poder trazer a solução que certamente vai agradar, fidelizar e tornar o cliente um fã defensor da marca.

Isso é realmente possível, e com a internet e o avanço tecnológico de softwares (seja de gestão de vendas, seja de parametrização e estudos de caso), é mais fácil e recomendável do que nunca.

No mercado de eletrônicos, por exemplo, em vez de simplesmente fazer um site institucional e ficar esperando os clientes virem, a empresa pode fazer pesquisas a respeito das palavras-chave mais buscados no seu segmento.

Ao constatar que “Preço transformador” tem uma procura alta, ela pode focar seus esforços em não apenas fazer promoções (com “preço” baixo), mas também gerar conteúdo em torno desse produto, por meio de redes sociais e blogs, “educando” o cliente sobre as vantagens desse tipo de solução.

Conhecer a persona e falar sua língua é o modo mais efetivo de praticar o marketing one to one, independente do formato que ele for assumir no conjunto das estratégias. Por isso, vamos aprofundar esse conceito adiante.

Como compreender a fundo o perfil do cliente?

Certamente, sem conhecer sua própria persona e a persona do seu público, não é possível praticar o marketing de “um pra um” com efeitos realmente sólidos e capazes de trazer resultados no curto, médio e longo prazo.

Além dos softwares de levantamento de dados e tendências de mercado, já mencionados acima, outra dica importante é a dos feedbacks de clientes. Só assim a empresa pode se manter em dia a respeito do que o público diz.

Se a marca se especializou em mica isolante, por exemplo, que é um produto voltado para isolamento elétrico/térmico (aplicado universalmente, tanto em máquinas industriais injetoras quanto em secadores de cabelo), antes de tudo ela precisa entender a fundo sobre as várias empresas que compraram dela.

Para isso, a formação da persona deve responder várias perguntas, tais como:

  • Qual o perfil ideal do meu cliente?
  • Quais as principais preocupações que ele tem?
  • O que ele espera da relação com meu produto/serviço?
  • O que mais o encanta nesse tipo de solução?
  • O que mais o frustra nesse segmento?
  • E daí por diante.

O interessante é responder várias perguntas dessas, e depois criar mais de um perfil ideal. O foco dessa estratégia é saber como agir com o cliente em todas as etapas do funil de vendas. Ou seja, desde o momento em que ele figura como um interessado/visitante, passando pelas etapas clássicas do lead (suspect, prospect, etc.) até tornar-se um cliente.

O marketing one to one consiste em falar a mesma língua que o cliente, não apenas no pós-venda ou no pré-venda, mas desde o momento da manufatura do produto ou formulação de como deverá ser o serviço.

Domine os 4 pilares do marketing one to one

Don Peppers e Martha Rogers estão, certamente, entre as maiores referências mundiais quando o assunto é marketing “um pra um”.

Segundo eles, existem quatro etapas clássicas nessa estratégia:

  1. Identificação;
  2. Diferenciação;
  3. Interação;
  4. Personalização.

1.                 Identificando os clientes

Esse esforço consiste na formação das personas da própria marca. E também do público, mas em sentido mais amplo (não a dos perfis, que são a próxima etapa).

Cada empresa sabe, certamente, por que motivo decidiu se estabelecer. Ou seja, qual é a proposta central dela: quais soluções traz, por meio de seus produtos/serviços, para o mercado e para as pessoas.

A cerâmica industrial, por exemplo, é um artefato indispensável para as indústrias da atualidade. Altamente customizáveis, elas são solicitadas quando outras peças tradicionais não atendem uma demanda, de modo que possam suprir setores os mais variados (químicos, farmacêuticos, automobilísticos, etc.).

Ter em mente essas vantagens ajuda na definição da persona da marca. Depois, é preciso identificar os clientes possíveis, ainda de modo abrangente.

2.                 Diferenciando os clientes

Aqui o esforço é o de formar os perfis específicos, conforme já explicado. Afinal, é impossível trabalhar com uma persona muito ampla.

O foco deve ser o de criar como que linhas de atendimento, mais ou menos como grupos que possam se expandir com o tempo. Portanto, essas categorias devem ser capazes de abranger todos os perfis existentes.

Se a empresa vende detector de fumaça endereçável, por exemplo, ela deve saber que seu produto pode ser comprado por escritórios, mas também por salões comerciais, ou por shoppings, ou por galerias, e daí por diante.

Cada um tem suas demandas, linguagens, expectativas, etc.

3.                 Interagindo com o cliente

Além do que já dissemos acima, o importante dos feedbacks é salientar que as tendências de mercado, e mesmo as expectativas dos clientes, mudam de tempos em tempos.

Por isso, é preciso estar sempre atento, e ter canais de abertura nos quais os clientes possam se posicionar e se sentirem à vontade para “reclamar”.

É comum ver grandes redes de alimentação e fast food que fazem promoções para quem responder questionários sobre a qualidade do atendimento e do produto. Ou seja, se é do interesse do cliente falar, é mais ainda da empresa, ouvir.

Mas isso não vale só para o varejo. A própria indústria do food service (como as empresas que vendem máquina a vácuo, freezers, fogões industriais, etc.), por exemplo, precisa interagir cada vez mais com o cliente, se quiser fidelizá-lo.

4.                 O poder da personalização

Na teoria de Don Peppers e Martha Rogers a personalização é (tal como foi neste post, para nós), a essência do negócio.

Ela não consta em quarto lugar por “ordem de importância”, mas porque só pode ser bem feita depois de as etapas anteriores terem sido cumpridas.

Um exemplo bem ilustrativo é o da construção civil, que envolve desde terceirização de serviços, como instalação de estaca raiz in loco, até fornecedores de matéria-prima e indústrias do setor primário.

Atualmente, mesmo esses setores mais amplos e nichados reconhecem que é necessário ter estratégias de identificação, diferenciação e interação com os clientes.

De fato, sem isso seria impossível dar um atendimento personalizado e atingir os objetivos do marketing one to one: a fidelização do cliente e o fortalecimento da marca.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

 

Saiba como aplicar o Marketing de Serviço no seu negócio

A prestação de serviços é fundamental para a economia brasileira, com negócios em áreas básicas como saúde, educação e saneamento básico, alimentação e outros. O Marketing de Serviço se mostra fundamental justamente porque nesses casos nem sempre o “produto” pode ser tocado, por assim dizer.

 

Muitas vezes ele está mais relacionado à experiência do usuário que ele proporciona, como é o caso de um serviço como o aluguel de equipamentos como um refrigerador para medicamentos, por exemplo, que é bastante comum no setor da saúde.

 

De uma maneira geral, pode-se dizer que a prestação de serviços costuma demonstrar grande demanda, o que quase sempre leva a um aumento na quantidade de concorrentes no mercado.

 

Por isso, para garantir competitividade no mercado, as empresas precisam encontrar formas de se destacar da concorrência. Desta forma nasceu o Marketing de Serviços.

 

Tratam-se de ações que visam fazer com que os clientes consigam relacionar a empresa de projetos elétricos, por exemplo, como a melhor e mais adequada para a contratação, relacionando as vantagens do negócio.

O que é o Marketing de Serviços?

 

O Marketing de Serviços pode ser definido como um conjunto de práticas que visam o convencimento do cliente na escolha de determinada empresa, em detrimento de concorrentes, mesmo que os produtos sejam similares.

 

Para isso, é preciso analisar, planejar e aplicar táticas específicas para atender melhor às necessidades dos clientes e potenciais clientes.

 

Entretanto, o grande objetivo do Marketing de Serviços não é apenas vender, mas também conquistar e encantar o seu público. Por meio desta aproximação e aprovação, a empresa se destaca em seu mercado de atuação.

 

Contudo, o Marketing de Serviços demanda interação e compreensão de todas as áreas dos negócios, para que os empreendimentos consigam aumentar a quantidade de oportunidades de negócio.

 

Marketing de Serviços e Marketing de Produto: é a mesma coisa?

 

Marketing de Serviços e Marketing de Produto são diferentes, assim como serviços e produtos têm definições diferentes. Eles diferem e demandas diferentes formas para atrair e fidelizar os clientes.

 

Para compreender, basta pensar que os serviços possuem as seguintes características:

  • Intangibilidade – não se pode tocar ou pegar um serviço;
  • Heterogeneidade – mesmo que similares, serviços nunca são totalmente iguais;
  • Inseparabilidade – produção e consumo são parciais ou totalmente simultâneos;
  • Ausência de propriedade – está mais ligado a direito que propriedade;
  • Perecibilidade – serviço não pode ser armazenado, termina com a prestação.

 

Portanto, o Marketing de Serviços está voltado para a valorização dos serviços, posicionando as empresas como provedoras de soluções às necessidades do seu público.

 

Como em toda estratégia de marketing, a contratação de uma desentupidora zona sul, por exemplo, será apresentada como a melhor opção do mercado. No entanto, a diferença é que no Marketing de Serviços ao invés de ressaltar a qualidade do produto, a vantagem está em destacar a habilidade da empresa que oferece o serviço, incluindo a sua experiência e talento.

 

 

A principal diferença entre Marketing de Serviços e o Marketing de Produtos é que o primeiro deve focar, principalmente, nos impactos que a contratação de aluguel de geradores SP, por exemplo, pode ter na vida dos seus clientes.

 

O resultado direto da implementação de um plano de Marketing de Serviços é o aumento da visibilidade da empresa, com mais pessoas entendendo a sua missão e que serviços ela pode oferecer.

 

Assim, o empreendimento alcança muito mais oportunidades de negócios, principalmente com estratégias consistentes e capazes de convencer os clientes de que a empresa especializada em manutenção de exaustores, por exemplo, entrega exatamente o serviço que o cliente precisa.

 

Com o Marketing de Serviços, a empresa tem uma oportunidade de aumentar o valor agregado dos seus serviços, com atividades mais efetivas, com maior qualidade e agregando mais reputação para a empresa.

 

Outro ponto é a possibilidade de aumentar a taxa de fidelização, com a construção de uma base sólida de contatos e o fortalecimento do relacionamento com os clientes.

 

Para serem efetivas, as ações deve estar ligadas aos diferenciais da empresa, que também podem ser a confiabilidade ou vantagens do serviço oferecido. Assim, as empresas aumentam as chances de serem lembradas pelos potenciais clientes, quando estes procuram pelos serviços que ela oferece.

8 P’s do Marketing de Serviços

 

Quando o assunto é Marketing de Serviços, é preciso atentar-se à oito aspectos fundamentais. Os quatro primeiros, Produto, Preço, Praça e Promoção estão diretamente relacionados à oferta de produtos. Já os quatro adicionais, Processo, Palpabilidade, Pessoas e Produtividade estão mais ligados aos serviços.

Produto

Todo serviço também contém um produto, que está baseado em um resultado capaz de gerar valor para o cliente. É o caso do serviço de manutenção de tanques misturadores industriais, por exemplo, em que o produto é o benefício de ter um equipamento em perfeito funcionamento por um custo muito menor do que a compra de um novo.

Preço

No universo dos serviços, geralmente os preços são calculados levando em conta fatores mais subjetivos. Por isso, dependendo do segmento, serviços similares podem ter valores completamente discrepantes, como é o caso de um corte de cabelo, por exemplo.

 

Pode-se dizer que o preço de serviços deve envolver considerações sobre o mercado ao redor, tempo dedicado ao serviço, qualificação do profissional responsável, complexidade da situação e outros aspectos relevantes, de acordo com cada empresa.

Praça

No Marketing de Serviços, praça está relacionada ao momento de alcance e local onde ele ocorre. Por isso as ações são muito bem planejadas, com datas e prazos definidos, assim como meios de execução utilizados por fabricantes de pontes rolantes, por exemplo.

Promoção

As promoções são ações baseadas na divulgação dos serviços oferecidos, com vantagens para atrair e conquistar os clientes.

Processo

As empresas precisam ter processos internos bem estudados e definidos, para que as etapas necessárias para a prestação de serviços ocorram de maneira eficiente, possibilitando uma boa experiência para o cliente.

 

Afinal, um serviço que falha ou é demorado demais pode gerar a insatisfação e prejudicar os negócios.

Palpabilidade

Em outras palavras, a palpabilidade é a evidência física, o reconhecimento do ambiente em que o serviço é prestado. Mesmo com caráter intangível, os serviços demandam o uso de elementos visuais capazes de ajudar os consumidores na visualização das melhores ofertas.

É preciso entender que tanto mais palpável um serviço parecer para os seus clientes, maiores serão as chances de vendas. Por isso, geralmente a palpabilidade está relacionada ao atendimento ao cliente, possibilidade de atendimento por diversas plataformas, entre outros.

Pessoas

As pessoas que compõe um negócio de prestação de serviços são as responsáveis pela garantia de que o “produto” oferecido pela empresa será entregue da maneira correta, gerando a satisfação plena do cliente.

 

Portanto, é fundamental que uma fabricante de peças usinadas, por exemplo, invista na qualificação dos profissionais envolvidos na prestação de serviços.

Produtividade

A produtividade é importante no Marketing de Serviços, mas também é preciso ressaltar a necessidade de manter a qualidade.

 

No caso dos serviços, a produtividade está ligada à conclusão das tarefas respeitando os prazos pré-estabelecidos, o que possibilita maior disponibilidade e melhor atendimento.

Como aplicar o Marketing de Serviços?

Não existe uma fórmula simplificada para aplicar o Marketing de Serviços. O ideal é sempre contratar profissionais qualificados e especializados em Marketing. Assim, é possível aplicar as estratégias de acordo com as necessidades específicas de cada empresa.

 

Entretanto, boas práticas são fundamentais, dentre as quais é válido ressaltar:

  • Atendimento de qualidade e relacionamento mais próximo com clientes;
  • Investir na em presença digital, com conteúdos de qualidade;
  • Identificar o diferencial da empresa para destaque especial nas campanhas;
  • Estabelecer metas claras e realistas com prazos para execução;
  • Investir no planejamento de todas as ações e soluções;
  • Monitorar e estudar os resultados, para melhorar as campanhas.

 

A conclusão é que para se destacar no mercado, as empresas precisam atender à demanda com um serviço adequado, o que envolve muito planejamento. Isso é válido para praticamente todos os segmentos de atuação, e deve levar em conta os 8 P’s do Marketing de Serviços.

 

Desta forma, as empresas conseguem conquistar mais clientes e se manter competitivas no mercado, mesmo com concorrentes que oferecem serviços semelhantes.

 

Aos empreendedores, cabe o questionamento sobre a importância de, além de se esforçar para cumprir prazos e metas, dedicar tempo e investimento para a construção de um relacionamento mais frutífero com seus clientes.

 

O Marketing de Serviços pode ajudar na promoção da empresa, demonstrando o seu diferencial e auxiliando no convencimento e conquista do cliente.

 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Problemas Comuns de Encanamento Residencial Que São Verdadeiros Incômodos

Ter uma casa pode ser um grande passo na vida de uma pessoa! Você obtém seu próprio espaço, a capacidade de alterá-lo da maneira que desejar e a liberdade de estabelecer a sua personalidade ao local.

No entanto, se você é iniciante neste assunto de casa própria, saiba que você pode se surpreender com a quantidade de reparos domésticos que precisa repentinamente.

Até porque em vez de ligar para o proprietário sobre um cano quebrado, por exemplo, você precisará chamar um encanador ou uma desentupidora 24h para te ajudar a resolver problemas de encanamento.

Por isso, aqui estão alguns dos problemas mais comuns de encanamento residencial que todos (ou quase todos) os proprietários enfrentam em um algum momento.

Problemas comuns de encanamento

 

  • Banheiro entupido;
  • Pia entupida;
  • Vaso sanitário vazando;
  • Torneira pingando;
  • Baixa pressão de água;
  • Mau funcionamento de válvulas no encanamento.

Todo proprietário encontrará um ou mais desses problemas durante a vida útil de sua casa. Eles são todos comuns no encanamento residencial!

Porém, com a contratação de um bom profissional ou de uma boa empresa você poderá se sentir mais tranquilo e seguro nos reparos feitos quando esses problemas surgirem.

E, embora muitos desses problemas de encanamento residencial possam ser resolvidos com um trabalho braçal (você mesmo pode fazer), se você tiver alguma dúvida sobre suas habilidades de encanamento, sempre chame uma pessoa qualificada para o serviço.

Você não apenas economizará tempo, mas também evitará possíveis problemas futuros causados ​​por problemas de encanamento reparados incorretamente.

E o que considerar ao contratar um encanador ou uma desentupidora?

 

Você não pode se dar ao luxo de fazer a escolha errada quando se trata de seu encanamento.

Por isso, você deve ter a máxima confiança em qualquer pessoa que traga para trabalhar em sua casa. Sendo assim, saber que seu encanador é totalmente licenciado e qualificado é uma ótima maneira de aliviar qualquer desconforto.

Uma empresa licenciada significa que você não está contratando qualquer pessoa, mas sim que está contratando um ou mais profissionais com anos de experiência e a certificação adequada para fazer o trabalho.

Além disso, considere o equipamento e os trabalhadores que a empresa que você contrata utiliza antes de assinar na linha pontilhada.

O encanamento é tão antigo quanto a sociedade civilizada, mas as ferramentas usadas pelo encanador não devem ser. Os avanços tecnológicos em máquinas e técnicas estão sempre surgindo, e seu encanador deve possuir todo o equipamento e treinamento para usá-los com precisão.

E mais, um encanador ou empresa que vale seu tempo e dinheiro terá prazer em oferecer uma garantia em seus serviços em caso de problemas futuros, proporcionando a você mais tranquilidade.

A coisa mais importante a considerar ao contratar um profissional deste tipo é se você se sente à vontade com ele.

A comunicação é essencial para trabalhos em larga escala, como encanamentos, e você deseja entrar em contato com o encanador, se necessário.

Logo, eles devem estar dispostos a discutir todos os detalhes do trabalho abertamente com você e responder a todas e quaisquer perguntas que você possa ter sobre o trabalho que está sendo feito em sua casa.

Dicas de informática para o dia a dia

A internet tomou conta do mundo, inclusive, muitas profissões exigem ao menos o conhecimento em informática básica para que as tarefas sejam otimizadas através de computadores. Saber dicas de informática para o dia a dia, que nos ajudem a desempenhar nossa função com maior praticidade é essencial.

São diversas as funções que usam computadores em sua rotina, como exemplo, caixas de supermercados e lojas, secretárias, recepcionista, gerente e inúmeras outras. Saber identificar atalhos que nos ajudem a tornar esse contato diário com a informática mais simples é muito importante.

Conheça a seguir algumas dicas de informática básica:

Sistemas operacionais

Uma das partes principais que devemos dominar é o sistema operacional utilizado no computador, que nada mais é que um conjunto de programas, o qual possui a função de gerenciar quaisquer recursos no sistema, como exemplo, gerenciamento de memória, pastas de arquivos, entre outros.

Ele fornece a interface entre o usuário e seu computador. Sendo o Windows um dos mais conhecidos, que possui ícones de atalhos para realizar comandos como o desligamento do computador na barra iniciar.

Periféricos

É comum nos referirmos ao monitor como computador, mas ele é um periférico, pois o computador fica localizado dentro do gabinete que possui um botão físico no qual ligamos e desligamos o mesmo.

O mouse e teclado também são partes periféricas que ao ser utilizado, o computador traduz as ações e o sistema operacional conduz às mesmas na tela.

Atalhos que podem ser utilizados para poupar tempo

Alguns atalhos simples podem realizar funções sem que tenhamos que realizar inúmeros processos para tal. Confira:

– Para finalizar uma aplicação que está aberta, podemos digitar na tela inicial ALT + F4.

– Se deseja alternar as janelas usamos o ALT + TAB.

– Realizar busca de palavras em determinada janela CTRL + F.

– Imprimir documentos e imagens CTRL + P.

– Selecionar os arquivos da pasta CTRL + A.

– Copiar imagens e textos CTRL + C.

– Colar o que copiamos e recortamos CTRL + V.

– Recortar CTRL + X.

O computador travou e agora?

Quando seu computador travar aperte as teclas CTRL+ALT+DEL, depois selecione a opção do gerenciador de tarefas, no qual pode de forma imediata fechar quaisquer programas que estejam travando seu PC.

Curso gratuito de informática básica

Deseja aprender mais informações úteis sobre o assunto para o seu dia a dia, faça um curso gratuito de informática básica em plataformas online.

Você irá aprender sobre sistemas operacionais, pacote Office, internet e diversos outros assuntos relacionados ao tema. 

Como um Raio Pode Paralisar Seu Negócio?

Seu negócio está exposto a sérios riscos se você não tem instalado um SPDA (sistema de proteção contra descargas atmosféricas) em suas instalações.

 

Sendo assim, no texto abaixo você irá conferir alguns exemplos específicos de como um raio pode paralisar suas operações comerciais.

Inicia um surto de incêndio

 

Um raio pode causar um surto de incêndio de duas maneiras. Primeira, o próprio raio aquece o ar ao seu redor e o ar aquecido (que pode ser extremamente quente), podendo facilmente inflamar o ambiente ao redor. Assim, seus arquivos, documentos, janelas ou até móveis podem facilmente inflamar e espalhar o fogo para o resto do escritório.

 

Em segundo lugar, os raios podem causar um surto de incêndio, causando mau funcionamento elétrico (como um curto-circuito) que pode provocar um incêndio elétrico e queimar suas coisas.

Danifica itens eletrônicos e elétricos

 

No caso de um raio poderoso, o dano pode se estender da fiação elétrica aos itens eletrônicos e elétricos. Assim como a fiação elétrica, os itens eletrônicos e elétricos da sua empresa também possuem uma quantidade máxima de eletricidade que eles podem suportar.

 

Infelizmente, se um raio atingir sua fiação elétrica, a eletricidade poderá passar e sobrecarregar os eletrônicos e os aparelhos elétricos conectados, danificando-os também. Os danos significam que você precisará substituir a fiação e os itens eletrônicos/elétricos.

“Frita” sua fiação elétrica

 

Toda a fiação possui uma voltagem máxima que pode ser manuseada com segurança. Várias coisas podem acontecer quando um raio força a fiação elétrica a transportar uma tensão além desse limite.

 

Por exemplo, a sobrecarga de eletricidade aquece os condutores (devido ao aumento da resistência elétrica) e até danifica seu isolamento. Não somente isso, mas parte da eletricidade pode ser forçada a fluir através de caminhos não intencionais (curto-circuito clássico), causando mais danos.

 

Todos esses danos significam que, na pior das hipóteses, você precisará substituir sua fiação elétrica após um raio cair.

Pode ferir funcionários

 

Uma das piores coisas sobre um raio são os ferimentos que podem causar às pessoas no local que cai. Um raio típico contém milhões ou mesmo um bilhão de volts de eletricidade, o que não é seguro para o corpo humano.

 

Mesmo que a descarga não atinja seus funcionários diretamente, ela pode passar por outros itens no local de trabalho e ainda assim atingi-los.

 

Todos esses riscos significam que seus funcionários poderão sofrer ferimentos graves se você não tiver proteção contra raios no local de trabalho.

Aciona reivindicações de responsabilidade

 

Um raio pode desencadear reivindicações de responsabilidade ou até uma ação judicial contra seu negócio de duas maneiras principais.

 

Primeiro, um raio pode causar ferimentos aos visitantes (como clientes) que estavam nas instalações no momento do ataque. As vítimas do acidente podem processá-lo se estiverem convencidas de que você poderia ter evitado seus ferimentos se tivesse instalado um para-raios.

 

E em segundo lugar, sua empresa também pode enfrentar reivindicações de responsabilidade ou ações judiciais se o raio causar danos aos pertences de seu cliente ou atrasar a prestação de serviços a seus clientes.

Cria um ambiente de trabalho desconfortável

 

Por fim, um raio também pode tornar insuportável as instalações da sua empresa se danificar seu sistema de aquecimento e refrigeração, por exemplo, ou danificar seu sistema de encanamento.

 

Veja, um raio pode danificar seu sistema de encanamento e inundar suas instalações com água. Danos nos sistemas de aquecimento, refrigeração e encanamento podem forçar você a dispensar seus funcionários até que você possa reparar os danos.

 

Portanto, para evitar todos esses problemas é de extrema importância que um sistema de proteção contra descargas atmosféricas seja instalado em seu negócio e claro, por pessoas que trabalhem nesta área, ou seja, profissionais (engenheiros) que façam todos os estudos e os projetos de SPDA a respeito do local, até a instalação, de fato, do sistema.